sábado, 25 de junho de 2011

Como apresentar cães evitando brigas

Muitas pessoas ignoram a importância de uma boa apresentação de um cão a outro, especialmente se a situação importar na introdução de um novo amigo numa casa que já tinha um peludo como “morador antigo”.

Se o primeiro contato de ambos gerar reações agressivas ou mesmo uma briga, a relação dos cães pode ficar comprometida para sempre, gerando até situações de perigo constante.


Identificando os sinais de perigo

Mesmo que o novo morador seja um filhote, é preciso cuidado no primeiro contato, para que o mais velho não estranhe a chegada do pequeno.  Além disso, há maior probabilidade de problemas caso o encontro ocorra no ambiente onde o cão mais antigo morava. Finalmente, cães do mesmo sexo tendem a se “estranhar” mais do que um macho e uma fêmea quando se conhecem.

Assim, se a situação a ser enfrentada tiver algum dos fatores acima, os cuidados devem ser redobrados.

Como agir

A primeira dica é providenciar para que o primeiro contato se dê em um local neutro. Pode ser na rua, num parque ou praça, de preferência sem muito barulho ao redor.

Outro ponto importante é providenciar para que os dois cães estejam contidos em suas respectivas guias, cada um sendo conduzido por uma pessoa.

A aproximação deve ocorrer aos poucos, iniciando-se com uma boa distância ente os cães. Cada condutor deve estar bem atento às reações do peludo que está ao seu lado. Sinais como: encarar o outro cão fixamente, pêlos do pescoço eriçados, cauda ereta e imóvel, significam perigo e devem ser imediatamente coibidas! Deve-se retirar imediatamente o cão do local que lhe dava visão do outro, com um sonoro e vigoroso NÃO.

Deve-se, por outro lado, valorizar os comportamentos desejados e esperados para esta situação: se o cão, mesmo já tendo visto o outro, mantiver-se numa posição relaxada, deve ser elogiado e bastante recompensado.

O objetivo é que a aproximação ocorra aos poucos, sempre observando as reações de ambos os cães, que devem ser tranquilas e despreocupadas para que se saiba em que ponto avançar. Isto pode levar alguns minutos ou até dias. Mas é muito importante ter paciência, pois trata-se de uma providência que garantirá tranquilidade aos peludos!

Quando se tiver certeza que ambos estão tranquilos, pode-se permitir que se cheirem, pois é neste momento que a relação entre os cães realmente se iniciará.

Antes de deixar os peludos sozinhos no local destinados a eles, é indicado que sejam separados na hora da alimentação. Além disso, todos os brinquedos, ossos e objetos que possam iniciar uma disputa, devem ser retirados do local, para somente serem introduzidos após certo tempo de convivência harmônica.

Importante: caso a(s) pessoa(s) seja(m) totalmente inexperiente(s) com cães e/ou qualquer dos peludos tenha histórico de agressividade, é indicado buscar a ajuda de um profissional especializado em comportamento canino para auxiliar na apresentação a outro cão.   


Alerta! É terminantemente proibido copiar os artigos deste blog sem citação da fonte. Plágio é crime previsto no Código Penal.

21 comentários:

  1. Muito legal este post!!!
    Parabéns!
    Lambeijocas da Brenda!

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou, Brenda! Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o texto!!!!!
    Até comentei no Mão de Cachorro, que com a minha filha isso não dá muito certo.
    Ela foi tirada do convívio (se é que teve) com a mãe muito cedo, não teve socialização com nada então agora que estou com ela há mais de 1 ano e meio (peguei ela filhote) que estou conseguindo progressos com ela.
    Porém a aceitação de outros cães em casa (tenho mais 2) é sempre melhor e mais segura se EU trouxer os cães em casa e se eles forem filhotes.
    Ela na rua ainda é bem insegura e um tanto quanto dominante com outros cães. Pelas atitudes que observo dela, creio ser por medo da interação.

    Abraços,
    Aime

    ResponderExcluir
  4. Aliás Cássia, gostaria de publicar seu texto no meu blog!!! Achei ele bem legal e gostaria de colocar lá, claro com os devidos créditos!!!!
    Você se incomoda?
    Aime

    ResponderExcluir
  5. Adorei o post! Estamos pensando em aumentar a família canina em breve =)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Aime! Pode sim, obrigada! Com a devida identificação e link, é sempre legal ter os textos divulgados! Beijos!

    Que legal, Fúlvia! Mais um membro na família! Beijos1

    ResponderExcluir
  7. adorei o post...minhas udas maltesinhas são terríveis na rua, não consigo aproximá-las de cão nenhum que elas tentam puxar o pelo dofocinho e os caezinhos se assutam...como são fofinhas todoas os outros donos trazem seus caezinhos para perto, fora que os donos acham que elas são muito bravas e fico morrendo de vergonha.Mas paciencia..amo elas tantoque vou contornando a situação. o mais engraçado é que em casa, posso soltar qualquer cachorro no chao que elas nao fazem nada..

    ResponderExcluir
  8. Oi, Cris! É perfeitamente possível melhorar muito o comportamento de suas maltesinhas! Seria legal pedir ajuda a um profissional especialista em comportamento canino1 Abs

    ResponderExcluir
  9. Oi Cássia! Adorei o post!
    Estou com algumas dúvidas... você poderia me ajudar, por favor?
    Eu tenho um Poodle Toy de 5 anos e acabei de adquirir uma Yorkshire que hoje está com 64 dias. Ela veio para casa há 15 dias.
    Além de ser apaixonada por Yorkie, a ideia era fazer com que o mais velho ficasse menos sozinho em casa e escolhi uma fêmea para não haver rivalidade entre eles. Li que machos não brigam com fêmeas.
    Ao menos em nossa presença ele não gosta de outros animais ou pessoas estranhas e sente um ciúme gigantesco por mim e pelo meu marido.
    Com a Yorkie ficamos confusos... a veterinária dele já disse que com os cães dela (duas fêmeas adultas) o nosso Poodle brinca e fica muito bem nos dias em que viajamos e o deixamos com ela, mas com a Yorkie que ainda é filhote ele não tem muita paciência então rosna e já avançou nela umas três vezes (sem machucar).
    Nestas duas semanas observamos que quando ela quer brincar ele foge, rosna, avança. Uma semana atrás durante a noite ele ainda cheirava ela o tempo todo e a cutucava com a patinha... com a boca... ficava sobre as duas patas traseiras enquanto as dianteiras estão em movimento no ar como se estivesse pedindo ou nadando cachorrinho (geralmente ele faz esse movimento quando está feliz ou quer algo), mas agora nem isso ele tem feito mais, só rosna. Por quê?
    Isso é normal? Devo deixar os dois se entenderem, já que ele não machuca ela, ou tenho que ficar corrigindo quando o mais velho rosna? E quem eu corrijo (o mais velho ou a filhote)?
    É só uma fase? Eles serão amigos? O que eu faço para ajudá-los? Pratico a ordem de o dominante vir em primeiro lugar (comida, carinho), mas por hora eles não ficam muito tempo juntos, só no horário do meu almoço ou quando chego do trabalho. Assim eles dormem separados... ele no canil e ela no espaço que improvisei em casa até ela tomar todas as vacinas. Será que eles ficarão bem juntos e sozinhos quando ela seguir a mesma regra que ele?
    Será que castrando o Poodle a convivência dos dois melhoraria? Já li que nunca deve castrar o cão que já é dominante, mas sim a mais nova. É verdade?
    Por favor, ajuda a gente. Tenho lido muito sobre o assunto, mas como pode ver ainda estamos muito confusos.
    Obrigada e parabéns pelo blog! Já está na minha lista de favoritos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju! Olha eu aqui novamente! rsss Escrevi sobre o Floc e a Nina em meu blog e como consegui que os dois finalmente se entendessem.

      Quem quiser ler é só acessar:
      http://www.audiomemoria.blogspot.com.br/2012/04/apresentando-um-filhote-para-o-cao-mais.html


      Obrigada pela ajuda!

      Beijos

      Excluir
    2. Muito bom, Suélen! Você fez tudo corretamente e deu certo! Parabéns! :D

      Excluir
  10. Suélen, a convivência entre dois cães de sexo diferente tem tudo para ser boa, desde que sejam adotadas as providências certas, especialmente se já há um cão adulto na casa, como é o seu caso. Você está fazendo o certo em dar comida primeiro ao cão mais velho, muita atenção a ele. Ele PRECISA associar a York com coisas positivas, do contrário, irá descontar nela toda a frustração que sentir. E pode, sim, ser só uma fase de adaptação, que tende a melhorar. Sugiro que vocês contratem um especialista em comportamento canino se a situação ainda estiver difícil. Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Boa noite, estou com um sério problema pois adotei um cachorro que achei na rua, mas com o tempo ele começou a pular muros, pula o portão da cozinha, começou a escapar e ir ao rio perto de casa e voltar todo fedido e por fim aprendeu o caminho do meu trabalho e qdo eu menos esperava ele chegava lá. E na empresa onde trabalho tinha aparecido 2 cachorros e qdo o meu começou aparecer lá logo os problemas começaram pois um dia os 2 começaram a brigar e depois era direto as brigas. A empresa pediu que retirassemos o cachorro caso contrário mandaria para o canil e então deu o meu cachorro para um funcionário da empresa levar para o sítio e trouxe os 2 cachorros para casa mas o meu depois de 4 meses conseguiu voltar e as brigas começaram. Hj eu prendo um dentro do quarto para poder soltar o outro e se não bastasse isto mandei tosar o meu poodle e agora o cachorro tbém o está estranhando, já não sei mais o que fazer pois eu gosto de todos mais nem consigo dormir direito. Me ajudem por favor!!!!

    ResponderExcluir
  12. Bom dia, Ju! Olha, pelas suas informações, seria necessário a ajuda de um profissional especializado em comportamento canino, para que você aprenda a ter um controle maior sobre os cães, evitando as brigas antes delas ocorrerem e para que as aproximações sejam feitas de forma paulatina e positiva. Boa sorte! Abs

    ResponderExcluir
  13. Olá! tenho filhas dogs, uma mestiça a July e a Manuela que é raça americano, ambas da mesma idade, sete meses,só que, agora a July andou pegando a Manuela pela garganta duas vezes na mesma semana, sangrou muito, rasgou a cara da menina onde ficou marca dos dentes, July é menor, Manuela maior, mas muito,muito dócil!Queria saber se devo desfazer da July, pois o clima é de medo, pois até minha foi furada na tentativa de desfazer a briga. O que faço? Maria Emilia Simões- Teófilo Otoni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria Emília! Sugiro que você procure urgentemente ajuda de um profissional especializado em comportamento canino. Boa sorte!

      Excluir
  14. Boa tarde, Cássia.
    Sou protetor e doei a Mila (uma SRD porte médio) a uma amiga que ja possuia 3 caes (2 machos de pequeno porte e 1 femea medio/grande tb recem adotada), todos castrados. Todos eles sao alimentados apenas na presença da dona. Inicialmente nao houve problema nenhum.
    No entanto, após mais ou menos 1 semana as 2 cadelas se pegaram e a Mila foi mordida no peito a ponto de necessitar sutura.
    O que posso sugerir a minha amiga, visto que já foram apresentadas?
    Muito obrigado.

    Bruno. Florianopolis/SC
    brutravain@yahoo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bruno! O ideal é consultar um especialista em comportamento canino, que utilize técnica baseada em reforço positivo. Dar uma opinião sem conhecer os cães e o ambiente em que vivem, é muito arriscado. Aliás, diante da situação narrada, acho que procurar ajuda profissional é medida de urgência. Boa sorte!

      Excluir
  15. Meu Deus!! Isso deu certo!! Obrigada pelas orientações! Isso era o que eu estava precisando!

    ResponderExcluir

Gostou do que leu? Vamos trocar ideias sobre o assunto? Comente aqui!

OBS.: não serão publicados comentários contendo xingamentos, palavrões, ofensas ou incitação a violência contra animais e/ou pessoas.